segunda-feira, 19 de abril de 2010

Ah, quanta inocência...

Partilho um dos meus mais antigos e traumáticos momentos da minha infância.

Quando tinha 3 anos, havia à venda um pudim, daqueles que se vendem em embalagens do género do iogurte.

Tomei conhecimento desse pudim através de um anúncio de televisão. Nesse anúncio, o pudim tinha pernas e olhos. E mal se abria a tampa, ele dava uns saltos enormes, e os miúdos tinham que andar atrás dele de colher em riste a tentar dar umas colheradas. Mais ou menos como se alimentássemos açúcar a uma bola-pinchona. Eu papei aquela besteira toda que nem um diabético a comer queques. Eu tinha que domar e comer aquele pudim, pois tudo aquilo me pareceu bastante divertido e agradável. Daí que tenha feito o choradinho à minha mãe para mo comprar.

Chegou o dia. A minha mãe comprou uma embalagem de quatro. Diversão a quadruplicar.
Lembro-me de ela me ter perguntado se queria comer logo um, mal ela chegou. Com um tom de descrédito e piedade pela ignorância da minha mãe face ao evento épico que ia ser comer aquele pudim, eu respondi "Pfffft, ó mãe... Isto não se come logo assim, é preciso preparar a cozinha, que aviso-te já, vai ficar uma bagunça".
Eu preparei-me. Na verdade, preparei-me para uma caçada ao Abominável Homem das Neves. Tinha redes, cordas, colheres de todas as formas e feitios, facas de plástico (para dar estilo), óculos de mergulho que eram a cara de um sapo e um funil na cabeça a fazer de capacete. Tinha sonhado com aquele momento, tinha que estar preparado para tudo.

Era o momento. Lembro-me nitidamente de fechar as portas, pegar numa embalagem, pousa-la na mesa à minha frente e respirar fundo. Então, agarrei nele, segurei-o à distância, virei a cara, fechei os olhos e levantei a tampa. E então..

Nada, obviamente.

Olhei com profunda incredulidade para uma massa castanha inerte na sua sepultura de plástico fino. Nada de aventura, nada de pudins de desenho animado aos pinotes, nada de gritos e excitação. Comer aquele pudim era, afinal, tão excitante quanto ver um idoso a dormir.
Experimentei então dar umas pancadas com a colher naquilo, não fosse precisar de reanimação. Agora, além de triste estava todo cagado.

Então, a minha mãe explicou-me que aquilo era só na TV. Na realidade era um pudim normal.
A TV, que era a minha melhor amiga! A TV que me trazia o He-Man e os Transformers! Quanta dor.
Senti-me traído até às 16h, altura em que começava o Brinca Brincando e eu já tinha esquecido todo o evento à 3 horas atrás.

Mas por agora, ainda estava com aquela porcaria na mão, segurando-a com a mesma vontade com que seguraria uma fralda suja e pestilenta. Agora solícita, após seguramente se ter divertido com a minha figura, a minha mãe disse para eu tirar aquilo para um prato e comer.
E então, eu assisti àquela mistela a desmoronar-se a minha frente, assim como os meus sonhos, expectativas e esperança de uma vida normal. Aquilo não só não saltava e fugia, como nem sequer aguentava a forma em cima do prato. Foi como descobrir que o pai de um nosso colega de quem diziam ser um campeão de atletismo, ser afinal tetraplégico.

Fui encorajado a provar e a comer. Pensei eu que ainda teria alguma consolação. Mas não, aquilo era uma porcaria. Ou seria antes, o sabor azedo da vergonha por ter sido um lorpa? Acho que nunca saberei.

Assim aprendi duas das mais duras lições de vida que se podem aprender aos 3 anos de idade:
- A primeira foi que não se deve acreditar em tudo o que se vê ou ouve, mesmo que seja a TV a dizê-lo.
- A segunda foi que o que conta é o que está no interior. E, pelas cuecas do Pai Natal, aquele interior era mesmo atroz.

Reforço que, até às 16h desse mesmo dia, fui um rapazote a quem a vida duramente ensinou umas poucas de lições. E saboreei o triste e amargo sabor, tanto do pudim como da desilusão.

17 comentários:

MM disse...

Deverias ter compensado isso com uma boa colherada de Marmelada Rainha! ;)

Isso sim!

Icarus disse...

Eu passei pelo mesmo quando o meu padrinho me ofereceu um fato dos Power Rangers aos 7 anos. Foi aí que descobri que ser um Power Ranger implica levar uma sova por ter manchado a minha roupa toda de vermelho, e que não é bonito abrir a cabeça do meu irmão com uma espada de plástico.

Ainda hoje me pergunto o que seria de mim (ou do meu irmão) se me tivessem oferecido a bicicleta dos Moto Ratos de Marte...

Icarus

Alguém disse...

LOL como se desilude uma criança... O trauma... Uma criança nunca deveria passar por isso! ;-)

Olhos Dourados disse...

LOL, tu pensavas mesmo que o pudim ia saltar??

AHAHAHAHA

Ana Teresa disse...

ahahah portanto para ti a desilusão sabe a pudim!? XD...também tenho uns episódios...o meu irmão que é 12 anos mais velho que eu e que já tinha 1,80m aos 16 disse-me uma vez que saíam aranhas de plástico se um buraco no estuque do tecto...eu gostava mesmo daquelas aranhas! e queria crescer o suficiente para poder ir lá apanha-las, o desejo de crescer para conseguir chegar lá concretizou-se mas além de já não morar naquela casa também sei hoje que as aranhas de plástico não vêm do tecto.

Nuvem disse...

LOOOL
É por isso que vou dizer à minha filhota que não há pudins que saltam...
melhor... nem vê TV (e tb acredito no pai natal)
mas é triste ser-se assim desiludido aos 3 anos,... estou solidária contigo :)

Salto-Alto disse...

Foi uma preparação digna de um filme do Indiana Jones, com o título "Indiana Jones e a saga do Pudim Voador". :)

A descrição está demais. :) Crente!

Juky disse...

Foi mesmo traumático para TANTO tempo depois ainda te lembrares dos pormenores todos... :)

Ahaha

Marisa disse...

LOOOOOL
Desmanchei-me a rir. Coitadinho de ti, tão pequenino e já com uma desilusão tão grande.
confesso que também me desmanchei a rir com o comentário do Icarus loooooool

Beijinhos

Katchup disse...

Não me ria tanto a ler um post como agora!

Muito bom!!!

E hoje em dia, consegues olhar para um pudim como um pobre mortal pronto a ser comido?

Joaninha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joaninha disse...

Vou partilhar contigo a minha descoberta cientifica mais empolgante...

Estava eu 5 anos e a minha mana de 6 a brincar no WC, mais concretamente com o conteudo do armário, abrindo frascos, despejando caixas, fazendo carreiros para as formigas com o pau das cotonetes (deves estar a imaginar a felicidade dos meus paizinhos não?) e a testar a resistencia dos insectos ao cheiro do alcool, quando a minha querida progenitora entrou aos gritos furibunda furiosa, qual tempestade do fim do mundo..

Foram gritos, berros e um sonoro, "arrumem isso tudo ja!"

Ora eu, deligentemente apanhei tudo do chão e atirei para dentro do armario, peguei no frasco do alcool e coloquei em cima da prateleira, mas não o fechei, porque achei irrelevante claro..

Leve dois gritos logo "Põem a tampa no frasco do alcool, nunca se deixa o alcool destapado"

Ao que eu respondi "Porquê?"

Resposta: "Porque o alcool evapora e desaparece..."

Tive um ataque de riso louco...Óh mãe evapora e desaparece? Enfim eu tinha 5 anos, este conceito era hilariante.

Pronto não tem piada mas para mim foi um episódio marcante da minha infancia.

Beijos para ti e para a Dra Saltinho

Joaninha disse...

Vou partilhar contigo a minha descoberta cientifica mais empolgante...

Estava eu 5 anos e a minha mana de 6 a brincar no WC, mais concretamente com o conteudo do armário, abrindo frascos, despejando caixas, fazendo carreiros para as formigas com o pau das cotonetes (deves estar a imaginar a felicidade dos meus paizinhos não?) e a testar a resistencia dos insectos ao cheiro do alcool, quando a minha querida progenitora entrou aos gritos furibunda furiosa, qual tempestade do fim do mundo..

Foram gritos, berros e um sonoro, "arrumem isso tudo ja!"

Ora eu, deligentemente apanhei tudo do chão e atirei para dentro do armario, peguei no frasco do alcool e coloquei em cima da prateleira, mas não o fechei, porque achei irrelevante claro..

Leve dois gritos logo "Põem a tampa no frasco do alcool, nunca se deixa o alcool destapado"

Ao que eu respondi "Porquê?"

Resposta: "Porque o alcool evapora e desaparece..."

Tive um ataque de riso louco...Óh mãe evapora e desaparece? Enfim eu tinha 5 anos, este conceito era hilariante.

Pronto não tem piada mas para mim foi um episódio marcante da minha infancia.

Beijos para ti e para a Dra Saltinho

Anónimo disse...

This will astonish you!

ZEITGEIST: ADDENDUM

http://www.zeitgeistmovie.com/

Money as debt

http://www.youtube.com/watch?v=vVkFb26u9g8

project camelot magnetic motor

http://www.youtube.com/watch?v=hkgyY47duCM

AMAZING!!

OZONATED WATER: CURE ANYTHING!

http://www.stoptherobbery.com/

Monatomic Gold

http://monatomicgold.co.uk/index.php

VCosta disse...

Realmente acabamos por aprender sempre da forma mais dura...
Abraço! Como te percebo... :)

Anónimo disse...

This will astonish you!
It`s in the interest of as all!

ZEITGEIST: ADDENDUM

Money as debt


Technological breakthrough


HydrogenCar

Magnetic energy

Electrolyzed water

Soladey eco

Bio washball

Solar Air Conditioning

Magnetic Motor

AMAZING!!

OZONATED WATER: CURE ANYTHING!

http://www.stoptherobbery.com/

Cancer is a fungus

ultraviolet light

Projecto Alexandra Solnado

Conversations with God website

Conversations with God

Project Camelot

Monatomic Gold

Dangerous to your health!

EXITOTOXINS

Monosodium glutamate (MSG)
Aluninum
Aspartame
Mercury


IMPORTANT TO WATCH

Flouride in water
Flouride Alert

Osmosis
Housetron

Hugo Matos disse...

Deixa lá que eu acreditava no anúncio do chocolate Lion, e pensava que quando comia o chocolate ficava com cabeã de leão ou no mínimo com dentes de leão lol

Cada dentada que dava no chocolate perguntava se já tava a fazer efeito, eu queria lá saber do chocolate queria era transformar-me em leão...no fim de contas não deu mas ao menos o chocolate era bom.